Eis que durante a madrugada a famosa insônia resolve dominar porque o processador do cérebro não consegue desplugar um minuto, aliás nem uma hora… e o tic-tac do tempo passa. Bom aí para acalmar os neurônios hiperativos resolvo assistir um Filme no Netflix chamado About time, pois é sobre o tempo!

É impressionante a criatividade para criar um filme com uma história que tem o seu, começo, meio e fim que faz você pensar, refletir sobre à questão de dominar o “tempo”. Mas como eu mesma não gosto de contar de como é o filme porque cada um interpreta de uma forma, deixo para cada leitor assistir e tirar a sua própria conclusão. Só uma dica é sobre o “fator tempo”.

O fator “tempo” é interessante porque assim como o relógio marca cada segundo, minuto, horas e com isso temos a noção do tempo em dias, semanas, meses e anooooooos cada um acumula sua própria experiência, conhecimento em sua bagagem. E nesse tempo os encontros, as histórias compartilhadas, aventuras, desencontros, viagens, tantas informações que cada um carrega em sua mente acaba resultando uma enciclopédia mental. E aqueles melhores momentos da vida ficam guardados nas melhores gavetas do coração… aliás são poucos e raros. SUSPIRO!!!

Às vezes tento imaginar o estilo de vida dos japoneses quando faziam o uso do Furoshiki no seu cotidiano, as habilidades que eram usadas e principalmente desenvolvidas pela necessidade. E mais… como eram esses profissionais visionários que foram os grandes criadores do Furoshiki, imaginem só ter o momento EUREKA! rs mas não foi numa banheira como Arquimedes. Mas o que me fascina é como grande parte dessa história está registrada em alguns museus do Japão, em livros e até filmes antigos. É muito fascinante, aliás apaixonante estudar e descobrir essas pequenas histórias do passado. Se pudesse voltar no tempo tenho a certeza que gostaria de estar ao lado do criador do primeiro Furoshiki, para escutar sua história, seus sonhos e o que seria o FUTURO do FUROSHIKI  no século XXI. Mas como não tive essa chance de vivenciar e está na minha imaginação resta construir a minha própria história do Furoshiki. Sim e por que não? rs

Afinal cada um pode e deve construir a sua história e porque não ser o Diretor do seu próprio filme chamado : VIDA.

Tantas notícias ruins, pessoas que criticam, reclamam, julgam é fácil né? mas se cada um mudasse aos poucos a sua própria ATITUDE e se tornar um cidadão mais EDUCADO e DAR EDUCAÇÃO para o próximo seria um excelente começo para construir uma base mais sólida e com a oportunidade para realizar MAIS SONHOS FELIZES.

Cabe a cada um decidir o melhor caminho… foi isso que eu aprendi e hoje eu digo: LIFE IS COOL.

Então com a insônia em companhia dos neurônios hiperativos, o Furoshiki aos poucos escreve sua história.

Arigato, Ecofuroshiki Brasil (LOVE JAPAN)

Sofia Nanka Kamatani